Voz da Verdade - Mogi Mirim
Pastor Roberto Bertoni

 
   Início      Testemunho do Pastor
 
Testemunho de vida do Pr. Roberto Bertoni

 
Pastor Bertoni
 
Meu nome é Roberto Bertoni, nasci em 17 de janeiro de 1957 na cidade de São Bernardo do Campo no Estado de São Paulo.
 
Pais biológicos Nazareno e Martha Bertoni

Meu pai era um alcoólatra e minha mãe uma doméstica, e eu tinha um irmão um ano mais velho que eu. Nossa família era simples, humilde e muito pobre. Minha infância foi na cidade de Santo André (Grande São Paulo).

ROBERTO BERTONI COM 1 ANO DE IDADE

Em meio a muita pobreza e muita miséria eu fui crescendo num lar onde jamais havia conhecido o que é o verdadeiro amor. Desde bem garotinho sempre vivi perambulando pelas ruas do bairro onde morávamos, e as vezes chegava até mesmo dormir na rua. Passávamos muita necessidade e muitas vezes não tínhamos nem mesmo o que comer na nossa casa.

ROBERTO BERTONI COM 2 ANOS DE IDADE

Certo dia meu pai chegou em casa completamente embriagado, nos ameaçando com uma velha garrucha que ele tinha, minha mãe não suportando mais tanto sofrimento, o expulsou de casa, colocando fogo em todos seus pertences pessoais, não deixando que o pobre velho entrasse nunca mais em nossa simples e humilde casa na periferia de Santo André. Passamos agora a viver só nos três em casa; eu, meu irmão e minha mãe. (isso foi em meados de 1968)

ROBERTO BERTONI COM 4 ANOS DE IDADE.



O inicio da minha perdição

Como todo filho costuma sempre se espelhar no próprio pai, eu não poderia ser diferente, comecei já desde cedo a trilhar pelos caminhos dos vícios, bebendo, fumando e andando com más companhias, e as conseqüências não poderiam ser outras: Passei então a ser um menino: triste, infeliz, com o coração cheio de ódio e por onde eu andava eu arrumava confusão e encrenca, minha mãe, sofredora, embora procurasse me levar sempre à igreja, onde também eu só arrumava confusão e também era conhecido como o "capetinha da igreja" devido ao meu comportamento e a desordem que eu provocava.
Eu e meu irmão brigávamos muito, e ele sempre me batia pois era mais forte que eu, e isso me deixava muito revoltado. Minha mãe me espancava muito também, pensando ser o jeito de consertar ou de endireitar um filho que estava caminhando a passos largos para a delinqüência. Devido tanto apanhar em casa muitas vezes eu me sentia mais amparado e seguro nas ruas da cidade do que na minha própria
casa.

ROBERTO BERTONI COM 13 ANOS DE IDADE

 
Na beira do abismo
No ano de 1970, o meu relacionamento com minha mãe e com meu irmão era péssimo, e num domingo na hora do almoço eu voltava de um campo de futebol de várzea completamente embriagado (eu era só um garoto de 13 anos de idade). Pois aos domingos de manhã eu ia aos campos de futebol e lá eu vendia pinga para as pessoas que iam assistir os jogos, e consequentemente eu me embriagava também. Muitas vezes eu nem conseguia chegar em casa de tão bêbado que eu ficava. Mas neste dia ao chegar em casa, encontrei minha mãe conversando com meu irmão e como era de costume fui logo me desentendendo com os dois e procurando briga, neste dia meu irmão estava meio impaciente e foi logo me derrubando no chão me chutando e me batendo muito, e eu, sem poder reagir pois estava muito bêbado. Estas coisas que iam acontecendo com muita freqüência em nossa casa e na minha vida ia fazendo com que o ódio e o rancor do meu coração fosse aumentando de uma forma inexplicável, que quando passou um pouco o efeito da bebida, eu cheguei a pegar um punhal que eu carregava comigo e que eu tinha achado numa macumba atravessado na cabeça de uma galinha morta, e tinha jurado matar o meu irmão.

O desespero de uma mãe

A coitada da minha mãe vendo esta situação, e sem saber o que fazer, para que eu pudesse mudar o meu comportamento que estava indo de mal a pior, resolveu me entregar nas mãos do juizado de menores, e lá atrás das grades, eu posso dizer com segurança e com toda convicção que foi o pior dia da minha vida. Pois lá eu fui espancado por homens fortes, que eu pensei até que eles iriam me matar, devido a violência com que me trataram, quando eles me soltaram daquele lugar horrível. Se o objetivo da minha mãe e daqueles homens era de me recuperar e de restaurar a minha vida, pode ter certeza de que o efeito foi contrário, pois o ódio e o rancor dentro do meu coração aumentou ainda mais. Agora eu não só tinha jurado matar o meu irmão mas eu queria também tirar a vida da minha própria mãe, por ela ter feito isso comigo. Hoje eu reconheço que a minha vida estava amarrada e completamente dominada pelo diabo naquela época.
 
Deus entrando em ação

VÔ MANUEL E VÓ MINÁ

Diante dessa circunstância e desse inferno que nós três vivíamos, meu avô materno Manuel que morava na cidade de Mogi Mirim interior de São Paulo (a 200 km de Sto. André), resolveu nos ajudar vindo até a nossa casa e me levando para morar com ele e minha avó. Só que eu continuava o mesmo, e como não poderia ser diferente, lá na casa do meu avô eu comecei a arrumar confusão e trazer desarmonia entre ele e minha avó. E não demorou muito ele estava me levando de volta para a casa da minha mãe em Santo André, dizendo: não agüento mais esse moleque! Só que agora quem não me queria mais era a minha mãe, e ela disse: Se o Senhor levou, fique com ele por lá porque aqui eu não quero mais. Mesmo sendo um pré - adolescente delinqüente, eu não entendia o desprezo e a rejeição por parte da minha própria família, mas mesmo assim eu voltei com meu avô para sua casa no interior, ele não tinha outra alternativa e ele estava muito irritado, pois ele não me queria de volta na sua casa. E quando chegamos na sua casa ele foi logo tratar de procurar um lugar para que eu pudesse ficar e esse lugar foi a FEBEM, mas graças a Deus ele não conseguiu me prender lá.


CASA DO VÔ MANUEL EM MOGI MIRIM


Às vezes nós não entendemos porque passamos por certas fases em nossas vidas, mas Deus sempre tem um plano muito especial e exclusivo para cada criatura sua, e ele tinha um plano para a minha vida também. Glória a Deus!!! Aleluia!!!

O Espírito Santo Realizando a Obra

Nessa época quando estávamos em Mogi Mirim, meu avô me levou para uma igreja evangélica, onde estaria um missionário norte americano, (Pr. Clayton Templeton) pregando e ilustrando seus sermões com mágicas, ele era também ventríloquo e contava história bíblicas com um boneco chamado "Ducke" Ele também tocava músicas com um serrote e acompanhava seus corinhos com uma harpa portátil. Eu fui, gostei muito e fiquei encantado com aquele homem! Ele era demais! Até hoje eu não esqueço das mágicas que ele fazia para explicar para as crianças o plano da salvação, ele parecia alguém sobrenatural e era mesmo pois ele era um mensageiro de Deus que estava ali cumprindo sua missão. No final daquele programa, aquele missionário sabendo de toda minha história, andou para perto de mim, conversou um pouco comigo, e disse estar sabendo que eu estava sendo rejeitado pela minha família de sangue, e eu não pude retrucar, pois era pura verdade. Então ele me fez um convite que mudou a minha história. Perguntou se eu gostaria de ir morar com ele e de ser um de seus filhos, Eu não estava acreditando no que eu estava ouvindo, eu estava perplexo, mas ele repetiu: É isso mesmo que você ouviu, você quer morar comigo? E eu meio gaguejando respondi: Sim eu quero. Ele falou: Então vamos. Eu aceitei o seu convite e fui para sua casa, lá conversamos bastante e ele me disse que eu realmente seria seu filho e ele estaria me aceitando no seu lar juntamente com sua esposa e seus seis filhos de sangue e desde aquele dia, ele sempre me chamou e me tratou como seu filho, e eu sempre o chamei e o tratei e o respeitei como pai.

Agora eu estava numa casa nova, tudo era diferente, a cultura, os hábitos, a comida, o modo de viver... a língua que se falava em casa era o inglês, enfim, tudo era diferente mesmo.
Aquele missionário comprou roupas novas para mim, me colocou na escola, sempre me dizendo da importância dos estudos na vida das pessoas. Agora eu tinha um quarto e uma cama para dormir, lençóis limpos e cheirosos, eu nem podia acreditar que tudo aquilo estava sendo realidade na minha vida. Diante de tudo o que eu já havia passado, tudo aquilo parecia um sonho para mim.

BERTONI COM 18 ANOS DE IDADE



Minha Salvação

 
Mais uma coisa eu nunca esquecerei: foi que ao deitar naquela cama tão macia e tão gostosa na primeira noite da minha nova casa, aquele missionário entrou no meu quarto, sentou na cabeceira da minha cama e lá conversamos bastante também. Eu jamais esquecerei o que ele fez por mim, sentado na cama acariciando os meus cabelos e falando com uma voz linda e angelical, ele disse: Escute filho, a partir de hoje você já é o meu novo filho, ouviu? Consequentemente eu passo a ser o seu novo pai, certo? Sendo assim eu vou fazer pra você tudo o que um pai faz pra um filho, OK? Então eu lhe perguntei: O que um pai faz pra um filho? E ele me disse: Um pai de verdade ama seu filho, dá lugar para morar, dá amor, carinho, dá conforto, um pai de verdade inspira confiança no filho e só quer o melhor para ele, e é o que eu quero, o melhor para você, ouviu? E eu prontamente concordei. Por outro lado você terá que fazer tudo o que um filho faz para um pai. OK? Eu fiquei meio assustado e lhe perguntei: O que é que um filho tem que fazer para um pai? E ele respondeu: Um filho deve: amar, respeitar, e honrar o papai e a mamãe, e não é só isso não, um filho deve obedecer ao papai e a mamãe, ajudar o papai e a mamãe nos trabalhos de casa, estudar e ser um aluno exemplar na escola, não responder asperamente aos mais velhos, ser um menino comportado, carinhoso, respeitador, educado, para que todos possam gostar de você. E tem mais, você nunca deve falar palavrões e sempre seguir os conselhos e ensinamentos do papai, OK? Eu disse: Tudo bem farei o possível para ser assim. Após ele ter dito essas palavras para mim, ele fez uma oração tão linda que eu nunca vou esquecer. Ele orou pedindo que Deus transformasse a minha vida, que Deus perdoasse os meus pecados e que fizesse de mim ,a partir daquele dia uma nova criatura, pois ele sabia que eu era uma alma preciosa para Deus e que eu seria uma benção no dia de amanhã. Após ele ter feito aquela oração, eu estava com o meu coração verdadeiramente quebrantado. Ele deu um
beijo na minha testa, me disse boa noite e saiu do quarto. Para mim aquilo não era um simples homem, ele era um ANJO DE DEUS. Minha vida naquela casa teve uma mudança radical, eu nunca mais senti falta nem da bebida e nem do cigarro e nem falava mais palavrões. Eu estava mudado, Jesus transformou minha vida, eu agora era realmente uma nova criatura, o velho adolescente delinqüente havia morrido, e um novo jovem com Jesus no coração estava nascendo.

EM 02 DE JUNHO DE 1979 ROBERTO BERTONI SE CASA COM BARTIRA




Minha nova vida 
Lá no meu novo lar eu cresci espiritualmente com os ensinamentos bíblicos que meu novo pai e minha nova mãe incansavelmente nos ensinavam. No meu novo lar realizávamos o culto doméstico com regularidade, tínhamos o hábito de memorizar versículos da palavra de Deus. Meu novo lar foi realmente uma grande benção na minha vida. Eu nunca vou me cansar de agradecer a Deus por essa família maravilhosa que com tanto amor e carinho me recebeu dentro de seu lar depositando tamanha confiança em mim. Glória a Deus!!! Aleluia!!!
Morei naquela casa até me casar, e quem fez o meu casamento não poderia ser outro senão o meu querido pai (Pr. Clayton) me dando sua benção. Isso foi em 2 de junho de 1979 na cidade de Itapira S.P.
Hoje vivo muitíssimo feliz com minha linda e amada esposa Bartira, em 1981 Deus nos deu a nossa primeira filha, Graciela, em 1984 Deus nos deu a nossa Segunda filha, Gizela e em 1988 Deus nos deu a nossa caçula, Gabriela, Hoje eu posso dizer: Eu e a minha casa servimos ao Senhor. Aleluia!!!
 
BARTIRA ESPOSA DE ROBERTO BERTONI E SUAS TRÊS FILHAS, GRACIELA, GIZELA E GABRIELA.


Bertoni o sucessor do Pr. Clayton

Hoje nossa família tem um ministério, como eu disse no inicio do meu testemunho, o filho sempre se espelha no pai, e agora eu me espelhei no meu novo pai, Hoje eu sou um Pastor, um missionário e pregador da mensagem da salvação da alma através do sacrifício de Jesus Cristo na cruz do calvário, sempre ilustrando com mágicas, hoje eu sou um ventríloquo e uso meus bonecos para levar a mensagem de Jesus, nossa família esta a frente de uma igreja. Mogi Mirim sempre teve a fama de ter um pastor mágico, meu pai hoje já está no céu morando com Jesus, mas eu estou aqui dando continuidade no seu trabalho, que não é seu, mas é para a honra e glória do nosso Senhor JESUS CRISTO. Amém!!!

Pr. Clayton P. Templeton = meu pai, meu exemplo, meu professor, meu orgulho, obrigado Jesus pela vida e ministério do meu pai Pr. Clayton.

Ass .Pr. Roberto Bertoni

 

 

                                      Pastor Clayton                                                  Pastor Bertoni